Prefeituras da região vão parar em protesto contra falta de repasses estaduais

As prefeituras da microrregião de Cataguases vão parar em protesto contra a falta de repasses estaduais. A paralisação marcada para os dias 10 e 11 de dezembro foi decidida em um encontro na manhã desta segunda-feira (27) na cidade de Cataguases.

Prefeitos reunidos em Cataguases. Foto: Prefeitura de Cataguases.

A reunião contou com a presença de 26 prefeitos; 31 vereadores; do deputado estadual eleito, Fernando Pacheco, e presidente da Associação Mineira de Municípios “AMM”, Julvan Lacerda. Representando Recreio estiveram o prefeito, José Maria Barros, e o presidente da Câmara, Paulinho Pintor.

Além da paralisação, ficou decidido um grande encontro em Juiz de Fora, no dia 7 de dezembro, com objetivo de reunir o maior número possível de representantes dos municípios da região para pressionar o Governo de Minas a regularizar os repasses às prefeituras. A programação deste evento ainda será elaborada e divulgada, informaram os prefeitos.

Espera-se que os chefes dos executivos municipais também definam uma estratégia de atuação com o novo governador, Romeu Zema, que vai assumir dia 1º de janeiro, visando acompanhar suas ações no sentido de regularizar estes repasses. Segundo apurou a reportagem do Site Marcelo Lopes (foto) nos bastidores do encontro, “se tudo correr bem”, salientou a fonte que não quis se identificar, esta normalização deverá ocorrer somente no início do segundo semestre de 2019.

No início de novembro, Julvan Lacerda, entregou ao presidente da República, Michel Temer, um pedido de intervenção federal em Minas Gerais por conta do confisco dos recursos destinados aos municípios. Mas, ainda não há uma posição do executivo federal, que deixa o cargo em 31 de dezembro.

A AMM calcula que a dívida (ICMS, Transporte Escolar, Piso Mineiro da Assistência Social, Saúde, FUNDEB e etc.) do Governo do Estado com as prefeituras ultrapassa os R$ 10 bilhões. O débito com Recreio é de mais de R$ 2,5 milhões.

Com informações: Site do Marcelo Lopes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *